Copyright 2019

Especialista em CARROS

Todos os direitos reservados

(47) 99193-2323

 

especialistaemcarros@hotmail.com

Atendemos Litoral Norte e

Vale do Itajaí, Santa Catarina.

Consulte para outras regiões.

WhatsApp-icone-3.png

Turbo para economizar

30/09/2015

 

Motor turbo sempre foi sinônimo de carro esportivo, potente e veloz. Não raro, tais modelos exibem orgulhosamente a palavrinha mágica como sobrenome, estampado em destaque na carroceria, geralmente com letras vistosas. Porém a alta potência sempre esteve associada a um maior consumo de combustível e manutenção dispendiosa.

 

Tudo isso foi verdade um dia, mas, por incrível que pareça, hoje os motores turbo são a aposta dos fabricantes para uma maior eficiência energética. Em bom português, turbo passou a ser sinônimo de economia. A tendência, chamada de downsizing, ou redução de tamanho, já chegou ao Brasil. Inicialmente no segmento de luxo, depois em modelos médios, e mais recentemente foi lançado o primeiro compacto com essa tecnologia.

 

Isso se tornou possível pela evolução tecnológica dos motores, mas também por uma mudança de ponto de vista. Antes se usava o turbo simplesmente para aumentar a potência de um motor. Hoje o pensamento é usar um motor menor com turbo para substituir um motor maior.

A filosofia do downsizing é possibilitar, por exemplo, que um motor 1.6 tenha desempenho de 2.0, para que carros maiores possam usar motores menores. Assim, é comum que os modelos turbo fiquem até mais econômicos que as suas versões originais. Isso acontece principalmente pelo ganho expressivo de torque (leia mais), de modo que o motor se esforce menos para desenvolver o mesmo trabalho.

 

Curiosamente os fabricantes não dão mais destaque à palavra Turbo, preferindo usar siglas mais discretas, como THP ou TSI. Sem dúvida fazem isso para desviar o foco dos aspectos negativos dos turbos de outrora. E, de fato, muitos motoristas sequer desconfiam que estão dirigindo carros turbinados.

 

Como funciona o turbo

 

Também chamado de turbina, seu nome correto é turbocompressor. O dispositivo é composto por dois rotores conectados por um eixo. O primeiro rotor é a turbina, ou rotor quente, movido pelos gases do escapamento, logo que saem do motor do carro. O segundo rotor é o compressor, ou rotor frio, movido pelo eixo ligado à turbina, que empurra ar da atmosfera para dentro do motor.

 

A ideia é que, enviando ar sob pressão para o motor, seja possível injetar também mais combustível, aumentando a sua potência e rendimento. O que difere o turbo moderno do antigo é basicamente a capacidade de gerenciar a pressão do sistema de acordo com a necessidade de maior potência ou de menor consumo.

Uma característica marcante dos motores turbo antigos era a sua dupla personalidade. A resposta ao acelerar não era instantânea. Inicialmente se comportava como um motor comum, e de repente despejava potência abruptamente, assustando os motoristas desprevenidos e até podendo causar acidentes. Essa propriedade é conhecida por turbo lag, ou retardo do turbo, em que a resposta vinha alguns instantes após o comando do acelerador.

 

Nos motores modernos o lag foi bastante reduzido, e o motor entrega potência de forma progressiva. A sensação é de estar dirigindo um carro sem turbo, o que agrada à maioria dos motoristas. Outras características, como o ruído de funcionamento, similar a um assovio, e os 'espirros' nas trocas de marchas, também ficaram no passado. 

 

O meio ambiente agradece, já que menor consumo significa menos poluição. Aos saudosistas resta buscar um modelo antigo ou se embrenhar no mundo da preparação de motores. Mas isso é assunto para um outro post...

Please reload

Notícias em Destaque

Carro autônomo: você ainda vai ter um?

1/8
Please reload

Busca por Categoria
Please reload

Busca por Título
Please reload